Archive for março 2, 2011


Levantamento dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, ligados ao Departamento de Saúde dos Estados Unidos, mostra que em pouco mais de uma década houve crescimento de 51% nas internações por acidente vascular cerebral isquêmico entre homens de 15 a 34 anos. Nas mulheres dessa faixa, a alta foi de 17%. No Brasil, as doenças cerebrovasculares também tiveram aumento expressivo entre os jovens, segundo números do Datasus, banco de dados do Ministério da Saúde. Entre 1998 e 2007, houve crescimento de 64% nas internações por AVC entre homens, e de 41% entre mulheres na faixa de 15 a 34 anos. Para a neurologista Sheila Martins, o aumento maior dos casos entre os brasileiros deve-se ao pouco controle dos fatores de risco. O jovem, segundo ela, está ingerindo mais sal, bebendo mais álcool e comendo mal.

Publicado por: Folha de S. Paulo (SP)
Por: Guilherme Genestreti
Em: 02/03/2011

Estudo recente publicado pela AVG, empresa de segurança na internet, descobriu que 92% das crianças norte-americanas têm presença online quando chegam aos 2 anos de idade. Um terço das mães ouvidas nos Estados Unidos disse que tinham postado fotos dos seus recém-nascidos online e 34% delas publicaram sonogramas dos seus bebês no ventre. Segundo o estudo, as norte-americanas são mais prováveis de postar fotos dos seus filhos na internet do que as mães de qualquer outro país do mundo. Isso levanta uma questão sobre livre escolha. Diferentemente dos adultos, esses bebês e crianças têm imagens transmitidas por todo o mundo antes de poderem ao menos se manifestar sobre o assunto.

Publicado por: O Tempo (MG)
Em: 02/03/2011

Levantamento da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em escolas particulares mostra que a maioria dos adolescentes do ensino médio começa a fumar por influência dos pais, dos amigos ou na balada. A pesquisa feita pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid) ouviu 2.691 estudantes, de 28 escolas particulares e de diferentes classes econômicas. Participaram jovens que fumam há pelo menos 30 dias. Foram aplicados questionários sobre a frequência em casas noturnas, pessoas próximas que são fumantes e religião. Os resultados revelaram que ambos os sexos fumam quantidades semelhantes, mas por diferentes fatores. Garotas fumam mais em festas, quando têm pouca atenção dos pais e quando não são religiosas. Já os garotos são mais influenciados pelos amigos e por uma eventual morte dos pais.

Publicado por: O Povo (CE)
Em: 02/03/2011

Estudo da Unesco aponta que as guerras civis provocam danos à educação: cerca de 28 milhões de crianças e adolescentes ficam fora da escola. O documento A crise oculta: conflitos armados e educação, divulgado ontem (01), alerta para os impactos desses conflitos no processo de aprendizagem. Dos 160 países que se comprometeram com a resolução do problema, ao assinar o programa Educação Para Todos, muitos não estão no caminho para cumprir as metas até 2015. A organização defende uma nova distribuição de recursos que reconheça a importância da educação em situações de emergência. O coordenador de Educação da Unesco no Brasil, Paolo Fontani, afirma que aqui não há conflitos armados, mas que em alguns pontos é imposto o convívio com o tráfico de drogas (conflito difuso), que também tem efeitos negativos para as crianças.

Brasil ainda investe pouco – O documento ainda aponta que, embora venha aumentando, o País ainda investe pouco em educação se comparado a países desenvolvidos. O estudo mostra que aqui é investido US$ 1.598 (R$ 2.659) por ano em cada estudante dos quatro primeiros anos do ensino fundamental. O valor é menos de um terço dos US$ 5.557 (R$ 9.246) investidos por países desenvolvidos. Os dados são de 2007 e a comparação considera o poder de compra das moedas. Apesar de baixo se comparado ao mundo desenvolvido, o valor cresceu nos últimos anos e está 102% maior do que em 2000.

Publicada nos principais jornais do País
Em:  02/03/2011

Tomar decisões estratégicas, traçar planos, estabelecer e cumprir metas, organizar recursos, montar e administrar um negócio. A partir do mês que vem, palavras como estas passarão a fazer parte do vocabulário diário de 15.980 alunos do 1º ao 5º ano da rede municipal de ensino. É o projeto Jovem Empreendedor, a ser desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educação em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP).

A novidade foi anunciada ontem pelo superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano. Na prática, estudantes do ensino fundamental aprenderão, com as disciplinas de Matemática, Língua Portuguesa, entre outras, técnicas e atividades que estimulem o comportamento empreendedor e ações de planejamento e organização, base para o mercado de trabalho.

“A ideia é começar desde cedo a ensinar o aluno a se preparar técnica e psicologicamente para o mercado de trabalho. Além de aprender sobre contabilidade, relatórios ou qualquer coisa do gênero, ele aprenderá a administrar melhor o tempo e a traçar planos e estabelecer metas, de forma que, ao atingir a adolescência, já terá ciência de qual profissão seguir e quais passos precisará dar para isso se concretizar”, sintetizou a diretora do Departamento Pedagógico da Prefeitura, Eulália Anjos Siqueira.

Para definir as técnicas e as ações interdiciplinares que serão desenvolvidas com os alunos, cerca de 500 professores de escolas municipais passarão por processo de capacitação no bloco didático do Centro Municipal de Formação Pedagógica (Cemforpe), no Mogilar. “Serão 30 horas de cursos e treinamento de metodologias durante cinco dias da semana, durante horário de trabalho, a partir do dia 28 de março”, contou Eulália.

De acordo com o superintendente do Sebrae, Bruno Caetano, esta é a primeira vez que o projeto Jovem Empreendedor é levado para um grupo massivo de professores e alunos. “Já tínhamos trabalhado com outras prefeituras, mas com pequenos grupos. Mogi é a primeira cidade no Estado a trabalhar com volume de capacitação acima de 200 professores e mais de mil alunos”, disse. Na parceria, ele ressaltou que toda a capacitação é custeada pelo Sebrae, inclusive o material didático usado por professores e por alunos, enquanto a administração municipal fornece o local de treinamento.

Publicado por: Mogi News
Em: 02/03/2011
Por: Noemia Alves

O cadastro municipal unificado das matrículas para as creches da cidade revelou que 4.850 crianças de 0 a 3 anos estão à espera de vagas nas instituições. E este número pode ser ainda maior, uma vez que o cadastro segue recebendo novos interessados. O déficit foi revelado pela secretária municipal de Educação, Maria Geny Borges Ávila Horle, durante sabatina na Câmara Municipal, na tarde de ontem.

De acordo com a apresentação feita pela secretária, o novo sistema de registros, iniciado no mês passado, contabilizou até o momento 7.447 matrículas. Deste total, 415 foram realizadas nas creches administradas integralmente pelo município, 195 feitas no prédio da Prefeitura e 6.837 nas unidades subvencionadas. As próprias instituições enviam semanalmente as listas de espera.

Depois de analisar os dados, foi verificado que cerca de 20% (1.500) das inscrições eram de alunos já cadastrados em pelo menos uma creche e outros 15% (1.100), tratava-se de duplicatas.

Justificativa
A secretária informou que a creche como unidade educacional existe somente há 23 anos, situação que justificaria o déficit. “Há uma grande dificuldade em universalizar o atendimento, porque a creche era vinculada à assistência social. A finalidade era apenas cuidar da criança para que a mãe pudesse trabalhar. Atualmente, apesar deste conceito ainda ser mantido, a unidade educacional voltada aos alunos de 0 a 3 anos faz parte da educação básica”, explicou.

O levantamento apresentado indicou ainda que atualmente as creches da cidade atendem 7.050 crianças menores de 3 anos, o que representa 37% do total da demanda existente de 19.256. “Temos índices melhores até mesmo quando comparado com capitais. Só para se ter uma ideia da dificuldade da universalização no atendimento, em dez anos, de 2001 a 2011, houve um crescimento de 131% na procura pelas creches do município”, frisou a secretária. A procura pelo Ensino Fundamental, de 1º ao 9º ano em Mogi das Cruzes teve um crescimento ainda maior e registrou um aumento de 216% nos últimos 10 anos, passando de 5.875 para 18.600 atendidos.

Maria Geny ressaltou que o Plano de Expansão de Creches prevê a substituição dos prédios alugados por estruturas próprias e a construção de 40 unidades em quatro anos. Dezessete já foram entregues. “O número de crianças atendidas aumentou consideravelmente. Em 2009 eram 25% da demanda total, neste ano subiu para 37%”, frisou.

Publicado por: Mogi News
Em: 02/03/2011
Por: Cleber Lazo

Marília, 13, é promessa da natação na região

A nadadora suzanense Marília Marques, de apenas 13 anos, é um dos destaques da região no esporte (categoria infantil 2) e busca patrocínio para participar de uma clínica para aprimorar sua parte técnica, em Miami, Estados Unidos, em julho, e para disputar a Copa España, no Chile.

Em agosto de 2010, Marília participou da edição deste torneio com apoio da instituição em que estuda, o Colégio Lumbini, de Suzano. Marília cursa o 9º ano do ensino fundamental II. Na ocasião, ela foi eleita a melhor atleta da competição, conquistando medalhas de ouro nos 50m livre e 50m borboleta, e de prata nos 50m peito.

A jovem de 1,72m de altura, que já foi pré-convocada para a seleção brasileira, começou a nadar aos 8 anos. Um ano depois, já se sagrou campeã da Liga Aquática do Alto Tietê. Em 2008, com 10 anos, tornou-se campeã geral da Liga Aquática.

Hoje, Marília treina no Sport Club Corinthians Paulista, muitas vezes ao lado de grandes nomes da natação nacional, como Thiago Pereira e Poliana Okimoto. Em 2009, a suzanense recebeu uma homenagem do Corinthians como atleta revelação e, no ano passado, foi homenageada novamente como destaque.

Regiane Marques, mãe de Marília, é grande incentivadora e “patrocinadora” da atleta. Ela sabe de cabeça todas as conquistas da filha e espera conseguir uma empresa para auxiliar na carreira promissora de Marília. “A cada ano ela muda de categoria e o investimento para as competições aumenta. Estamos lutando para que alguma empresa confie no talento da Marília”, disse Regiane.

Principais resultados
Marília participou em 2010 do tradicional Torneio Kim Mollo, em Mococa, que reúne os principais atletas de cada categoria. Ela foi campeã dos 100m livre e 3ª colocada nos 200m medley. Ainda no ano passado, a atleta foi vice-campeã do Torneio Sudeste no nado borboleta. A competição reúne os 25 melhores atletas do Brasil, nas respectivas categorias. Marília já conquistou cinco medalhas de pratas e uma de bronze no Campeonato Paulista, além de disputar o Campeonato Brasileiro.

Publicado por: Diário do Alto Tietê
Em: 02/03/2011
Por: Rodrigo Barone

%d blogueiros gostam disto: