Bezerra: "Atuo na administração porque tenho bom comportamento"

Francisco Alves Bezerra é um jovem de 24 anos, que há 2 anos e 6 meses trabalha na área administrativa do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Mogi das Cruzes. Há três anos, ele foi preso por receptação. Por se mostrar interessado em aprender coisas novas, além da pouca idade, ele foi convidado a trabalhar, auxiliando os agentes penitenciários nas atividades diárias.

Bezerra é um dos 24 alunos que obteve o diploma de técnico em elétrica básica residencial. “Quando fiquei sabendo que haveria o curso, achei muito interessante e quis participar. Meu pai gostou e deseja que eu estude ainda mais quando sair daqui”. Vindo de família humilde, Bezerra é filho de pedreiro e poderá auxiliar o pai no sustento da família. Por apresentar bom comportamento deste que chegou a unidade, o jovem é um dos poucos detentos que pode trabalhar na administração e ter acesso à diretoria da unidade. “É muito importante para a autoestima de quem está preso esse voto de confiança. Aqui faço limpeza, trabalho na copa, além de outras atividades e tenho orgulho de ter tido essa chance”, destacou.

Coisas novas
O pedreiro Luiz Marcos da Silva, de 48 anos, está preso há dois e trabalha internamente nas obras de reforma e reparo da unidade. Acusado de homicídio doloso, Silva contou que sempre trabalhou. O crime, inclusive, ocorreu enquanto trabalhava em uma obra. A possibilidade de continuar exercendo sua função dentro da cadeia, além de aprender coisas novas, deu a ele uma nova chance.

“Eu sempre trabalhei muito, desde muito novo. Imagine ser preso por causa de um momento de descontrole e pagar a vida inteira por isso. Não ter nenhuma atividade para fazer deixa qualquer um louco. Podendo ter esta chance, o tempo passa mais rápido, ocupamos a mente com coisas úteis e ainda construo uma possibilidade de vida melhor para quando sair daqui. Se todas as unidades prisionais dessem a mesma oportunidade e chance de aprendizado que esta, o cenário dos presídios brasileiros com certeza seria outro. Vou sair daqui sabendo mais e sendo uma pessoa muito melhor”, contou.

Destaque
Rubens Sérgio Ramos, de 23 anos, foi um dos reeducandos que se destacou durante o curso de elétrica residencial. Ele tirou 10 em todas as provas aplicadas. Formado em mecânica básica pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e admirador da Matemática e da Física, ele pretende estudar mais a área do curso que conheceu dentro da cadeia. “Eu sempre gostei de estudar, de elétrica e de mecânica. Quando eu for julgado e depois que sair daqui, vou aperfeiçoar o curso. Minha meta é também ensinar aos outros presos tudo o que sei”, disse. Os seis meses em que está recluso no CDP já foram transformadores. “Amadureci muito aqui. Quero muito ser alguém melhor”, destacou o jovem.

Publicado por: Mogi News
Em: 09/03/2011
Por: Jamile Santana