Cerca de 80 pessoas, entre amigos e parentes do estudante Alan Patrick Soares, de 17 anos, desaparecido desde a última sexta-feira após ser perseguido por policiais militares, se reuniram ontem à noite na praça dos Expedicionários, no centro de Suzano, para protestar contra a PM e cobrar agilidade nas investigações sobre o sumiço do adolescente. Os pais participaram do encontro e se emocionaram com o apoio das pessoas.

Por volta das 18h30, donas de casas, jovens e crianças chegavam à praça vestidas com camisetas com a foto de Alan Patrick e com cartazes de protesto. As frases escritas demonstravam o sentimento deles: “Este é o País em que vivemos”, “A nossa segurança é a polícia que mata”, “Polícia para prender ou para matar?”, “Cadê o Alan?” e “Onde está o nosso amigo?”.

O protesto foi pacífico e não atrapalhou o comércio do centro. “Não queremos fazer barulho ou prejudicar outras pessoas. Só queremos mostrar que o Alan era querido por todos nós e estamos indignados com o que aconteceu”, comentou uma amiga da família, que pediu para não ter o nome publicado.

Para o pai de Alan, o comerciante Sérgio Antônio Soares, 34, a comoção das pessoas mostra que o filho não era uma má pessoa e não merecia ser assassinado pelos policiais. “Não estou passando a mão na cabeça dele (Alan). Se ele fez algo errado, tem que pagar, mas não desse jeito. Os policiais não deram chance dele se explicar, bateram e atiraram nele, e depois ainda sumiram com o corpo”, desabafou.

O pai falou sobre uma informação nova do caso. Segundo ele, o filho foi espancado por quase 30 minutos antes de ser baleado. “Testemunhas o viram apanhando. Falaram que os PMs ficaram com meu filho na estrada do Areião (no Jardim Maitê, em Suzano) uns 40 minutos antes de disparar e sumir com o corpo.

Os manifestantes pretendem fazer uma passeata no próximo sábado. Ontem de manhã, os bombeiros realizaram novas buscas próximo ao rio Guacá, nas margens da rodovia Mogi Bertioga (SP-98), local onde um denunciante disse que o corpo teria sido jogado, mas nada foi encontrado.

Publicado por: Diário do Alto Tietê
Em: 18/03/2011