A principal razão para a criação da unidade mogiana da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – Apae, Ney Marcos Strazzi, hoje com mais de 40 anos, estava radiante com a animação da festa de aniversário dos 42 anos da instituição.

Filho do fundador Ricardo Strazzi, o jovem desempenha atualmente um importante papel de intermediação entre a diretoria e os mais de 500 alunos da unidade. Símbolo da importância do trabalho da entidade, Ney, como é conhecido pelos colegas, é o principal exemplo de que é possível sociabilizar os frequentadores da unidade.

Marcado por um culto ecumênico com religiosos, políticos e convidados, mais de 200 pessoas ouviram as palavras de representantes de igrejas evangélicas, católicas e da Seicho-no-ie. Ao final das pregações, teve bolo, refrigerante e o famoso “parabéns a você” para festejar a data.

“Acho esta festa muito legal. Tudo está bonito e se não fosse a ajuda dos funcionários não conseguiríamos realizar um evento deste”, disse Nei.

Referência no Alto Tietê na prestação de serviços como os da Clínica de Audiometria, e inovadora na implantação de técnicas terapêuticas, como a equoterapia, a instituição é motivo de orgulho para quem trabalha como funcionário ou voluntário.

“A forma como o Ricardo Strazzi conduziu geniosamente esta entidade por mais de 30 anos transformou a Apae de Mogi em uma referência. Hoje ao vermos o filho do Strazzi completamente sociabilizado e dedicando boa parte do seu dia ao trabalho na instituição mostra que realmente tudo isso é possível”, destacou Mario Julio, um dos diretores da unidade.

O presidente da Apae, Alfredo Casella Junior, destacou a atuação da unidade na Cidade e Região. “Fico bastante honrado em fazer parte desta história. Juntamente com o meu grande amigo Ricardo, há 30 anos, convivo neste ambiente e já perdi as contas do número de crianças que acompanhei a reabilitação. O sorriso delas é, sem dúvida, a maior recompensa”, declarou.

A sede localizada na região central conta com seis mil metros quadrados de área construída onde são feitos os atendimentos em salas de aula, de terapia, piscina, oficinas, cozinha experimental, clínica e a área livre utilizada para atividades diversas. Já na sede rural, localizada na Vila Moraes, o espaço de 15 mil metros quadrados conta com espaços para atividades de jardinagem, cultura de hortaliças e a equoterapia. “A terapia com cavalos ou equoterapia possibilita ao aluno aprender o sentido de equilíbrio e a coordenação motora dos alunos”, destacou Casella.

Publicado por: O Diário de Mogi
Em: 26/03/2011