Após quatro dias apreendidos em uma cela da Delegacia de Itaquaquecetuba, três adolescentes de Poá foram transferidos apenas ontem para unidades da Fundação Centro de Atendimento Socieducativo ao Adolescente (Casa), antiga Febem. A demora no procedimento revoltou familiares.

O trio é acusado de violentar sexualmente um menino de nove anos, de Poá, em novembro do ano passado, Na quinta-feira, a Justiça determinou o recolhimento dos adolescentes até o dia 12 de abril, quando será realizado o julgamento do caso. Na própria quinta-feira, eles foram encaminhados ao distrito policial. Já no dia seguinte, a Fundação Casa disponibilizou vagas para os menores. Mesmo assim, eles passaram o fim de semana todo no distrito policial.

“Eles deixaram o meu filho em um buraco. Isso não é jeito de reeducar uma criança”, criticou C.C., mãe de um dos adolescentes. Os parentes reclamaram também da falta de informações sobre o paradeiro dos acusados. “Eles colocaram meu filho em um camburão e não tivemos mais notícias. Não conseguíamos saber onde ele estava detido”, contou a mãe do jovem.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil de Mogi, Marco Antonio Pinto Soares Junior, classificou a permanência dos adolescentes na delegacia como absurda. Esse tipo de detenção para menores, segundo explicou ele, só pode ser utilizada em casos excepcionais e por um curto período de tempo. “Eles não devem permanecer em uma delegacia de modo algum, especialmente, quando já foram disponibilizadas vagas na Fundação Casa”, frisou.

Segundo informações obtidas junto à Delegacia de Itaquá, os adolescentes ficaram em uma cela especial para menores separados de outros presos.

Os adolescentes têm 13, 14 e 15 anos, e moram no Bairro Calmon Viana, em Poá. Pedido de liberdade provisória solicitado pelo advogado de um dos jovens foi negado pela Justiça ontem.

Dois dos acusados foram encaminhados para a unidade da Fundação Casa de Ferraz de Vasconcelos. O outro menino foi transferido para a entidade localizada no Brás, na Capital.

Publicado por: O Diário de Mogi
Em: 29/03/2011
Por: Karina Matias