Emerson Sant´ana e Simone Silva aguardam a entrega das chaves na Vila Jundiaí

A busca pela casa própria nunca esteve tão presente entre os jovens. Seja por meio de financiamento ou de construções desde o alicerce, é cada vez maior o número de pessoas com idade entre 18 e 30 anos que fazem da aquisição de um domicílio prioridade. Dados da Caixa Econômica Federal (CEF) apontam que em 2010, 36% das pessoas que obtiveram crédito habitacional tinham menos de 30 anos. Em Mogi, das mais de 45 mil pessoas com renda de até três salários mínimos que se inscreveram para serem beneficiados com uma unidade do programa Minha Casa, Minha Vida, 14.792 estão dentro desta faixa etária.
O estudante de engenharia elétrica Ricardo de Oliveira Gomes, de 24 anos, é um exemplo dessa nova safra de jovens preocupados em garantir cedo um local para viver que não seja a casa dos pais.

Com planos de casar em breve com a namorada Mônica Pereira da Franca, 19, com quem está junto há quatro anos, ele conta que as consultas às imobiliárias já começaram. “Estamos bastante tempo juntos e queremos nos casar. Estou no último ano da faculdade e ela no terceiro e vamos esperar um pouco. Já escolhemos Mogi como a cidade e queremos nos casar e não apartamento. Temos consultado algumas imobiliárias”, contou.

Assim como o estudante, diversos outros jovens seguem em busca de um lar próprio. O representante técnico Edson Sant´Ana da Silva, de 26 anos, de Suzano, viu o antigo sonho de ter a casa própria como prioridade com o nascimento do filho de dois anos e meio. O objetivo agora é sair do aluguel. “Comprei um apartamento na planta, que já estava em processo de construção, e agora falta sair a documentação, em três ou quatro meses. O bom é poder sair do aluguel também, embora eu pense diferente de outras pessoas que julgam o aluguel como dinheiro jogado fora, porque é um local onde estou morando, querendo ou não, com a minha família”, afirmou. O representante obteve um subsídio de R$ 18 mil por meio do programa federal.

Três anos mais novo que o irmão Edson, o professor Emerson Sant´ana da Silva também está aguardando as chaves do apartamento que comprou na Vila Jundiaí, em Mogi. Para ele, planejar a compra do imóvel foi fundamental. “Foi um planejamento de dois anos e meio. Quitei minhas dívidas, comecei a juntar dinheiro com minha noiva e conseguimos um subsídio de R$ 22.315 com o Minha Casa, Minha Vida. Até que saia o apartamento, previsto para maio, continuo morando na casa da minha sogra”, afirmou.

Publicado por: Mogi News
Em: 27/03/2011
Por: Willian Almeida

Para especialistas, momento é propício
Em alguns casos, solução é construir
Pedidos correspondem a 31%
Procura por imóveis aumenta  em 30% com programa Minha Casa