O Residencial Parque Itapeti surgiu como um pequeno loteamento, nos anos 90, e acabou crescendo nos últimos anos. A população é de cerca de 2,5 mil pessoas. Os moradores enfrentam algumas dificuldades estruturais e pedem melhorias na manutenção das ruas, a instalação de uma creche e uma escola no bairro. A falta de um lugar de recreação, a dificuldade de agendar consultas médicas e o lixo são outras questões levantadas por eles.

O asfalto chegou apenas à rua Benedito Alves dos Anjos, que é a principal via do residencial. O Mogi News e a Rádio Metropolitana foram ao local para ouvir as pessoas sobre as dificuldades e benefícios de morar no bairro.

A principal dificuldade levantada pelas pessoas é a falta de uma escola que seja mais próxima. “Estão faltando escola e creche. Aqui tem bastante crianças”, contou a pensionista Creuza Maria da Silva, 44 anos. As crianças têm de se deslocar até o Jardim Araci, onde fica a escola mais próxima. Para isso, é preciso atravessar a rodovia Mogi-Dutra (SP-88). As crianças do bairro não têm ainda um lugar adequado para poder brincar. Elas aproveitam para jogar bola em um campo de terra batida improvisado com traves de madeira. “Devia ter uma praça por aqui. Tenho quatro netos e quando quero levá-los ao parque tenho de ir ao Parque Leon Feffer, mas fica longe”, explicou a doméstica Sonia Gonçalves de Souza, 46.

O comerciante José Gonçalves de Freitas, 56, afirma que as ruas do local estão com buracos e é difícil trafegar por elas. “A rua está com bastante buraco e suja. Não tem condições de entrar com o carro”. Ele acredita que o bairro precisa de uma passarela entre a rua José Benedito dos Anjos e a estrada do Pavan. “As crianças ficam sem condições de atravessar. Temos bastante problemas com isso, pois muitas pessoas já foram atropeladas”, acrescentou.

Outra reclamação dos moradores é com relação a dificuldade de conseguir agendar consultas médicas. “Demora de dois a três meses para conseguir passar no médico”, contou a ajudante geral Maria Lourdes Batista Goulart, 52. A população tem que se dirigir ao Posto de Saúde da Ponte Grande para passar por atendimentos médicos.

A costureira Maria Alves Permino, 57, contou que foi a primeira moradora do bairro e acrescentou que nos 29 anos que mora no Itapeti muita coisa mudou. “Era para ser um condomínio. Aqui não tinha água nem luz. Tínhamos que encher a caixa da água com a água da bica. Agora, temos água encanada e energia”. Ela contou que os moradores estão sendo beneficiados ainda por um novo sistema de esgoto.

A doméstica Maria Ani Vieira da Silva, 54, gosta de viver no bairro por causa do “sossego”. “O ar é puro e é muito bom abrir a janela e ver uma paisagem dessas”, ressaltou.

Obras
A obra de acesso para o Jardim Araci na Mogi-Dutra, que causa alguns transtornos aos moradores do Itapeti que precisam utilizar a rodovia, deve ser entregue em agosto. Foram investidos R$ 4,9 milhões na obra, que teve início em novembro de 2009. Atualmente, 90% do muro de contenção do talude da avenida Benedito Pereira de Faria e 90% do viaduto da passagem inferior foram concluídos. Faltam ainda a conclusão de serviços de terraplenagem, drenagem, pavimentação, sinalização e acabamentos em geral.

Publicado por: Mogi News
Em: 02/04/2011
Por: Luana Nogueira