A Polícia Civil recebeu, na segunda-feira, o laudo técnico do Instituto Médico-Legal (IML) de Mogi sobre o caso do bebê de 2 meses que teria morrido após receber uma superdosagem de remédio no Pró-Criança, em novembro de 2010. Segundo o documento, a medicação não foi a causa da morte, mas a investigação sobre um possível erro médico vai continuar. Segundo o delegado Boanerges Braz Mello, responsável pelo caso, mais pessoas devem prestar depoimento e outro laudo deve ser emitido pelo IML de São Paulo.

O bebê foi levado ao Pró-Criança com problemas intestinais e encaminhado para o Hospital Luzia de Pinho Melo, onde teria apresentado reações à medicação. A Secretaria de Saúde disse que não havia sido notificada sobre o resultado do laudo e, por isso, não se pronunciaria.

Publicado por: Mogi News
Em: 04/05/2011
Por: Jamile Santana