Archive for maio 11, 2011


A coluna “Por Dentro do Brasil” de hoje traz como destaque um levantamento feito pelo jornal Folha de S. Paulo, com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em que aponta que os grupos mais vulneráveis de acordo com a nova linha de miséria oficial do país é de crianças, indígenas e nordestinos. Leia mais aqui. Estas e outras notícias, no rodapé deste blog.

Até o fim do ano, a Vila Santa Helena, em Poá, vai ser receber uma creche para atender cerca de 200 crianças. Sete empresas já enviaram propostas à prefeitura para construir a unidade e, agora, todas vão ser analisadas. Em até 15 dias, o resultado da licitação será divulgado em publicação no Diário Oficial.

A unidade será instalada na rua Fernando de Noronha e ficará entre a Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Manoel Petronilio e a Escola Estadual Nanci Cristina do Espírito Santo. O investimento total será de R$ 2,2 milhões. Até o fim do semestre, a prefeito Francisco Pereira de Sousa (PDT), o Testinha, vai entregar mais três creches, localizadas naVila Monteiro, Vila Amélia e Jardim São José.

De acordo com o secretário de Educação, Humberto Martins, não só a Vila Santa Helena, como todo o município tem uma carência grande de creches e a construção das unidades faz parte das metas da atual administração municipal. “As três creches que estão em fase final e vão ser entregues nos próximos dias terão, ao todo, 500 vagas disponíveis. As obras já estão bastante adiantadas. A administração anterior não priorizou a questão da Educação”, disse. “Hoje temos um déficit grande de crianças nas escolas, que chega a aproximadamente 700. A gente quer zerar esse número até o fim do governo do Testinha”, acrescentou o secretário.

Segundo o secretário de Administração, Alexandre Provisor, o bairro realmente precisa do investimento. “A construção da creche é uma necessidade local e faz parte do governo ampliar o maior número possível de creches até o fim do mandato”.

No bairro
A estudante de enfermagem Débora Muratori, de 24 anos, confirma que a Vila Santa Helena realmente precisa de uma unidade municipal, justamente por haver grande quantidade de crianças pequenas no bairro fora da creche. Ela, que possui um filho de três anos, tem deixado a criança com parentes e vizinhos para trabalhar e estudar, justamente por não haver vaga nas creches próximas a sua casa. “Eu trabalho, faço curso e nessas horas preciso deixar meu filho com a minha prima. Se ele estivesse na escola seria melhor. O bairro realmente precisa de um investimento desse tipo”, acrescentou Débora.

Publicado por: Diário do Alto Tietê
Em: 08/05/2011
Por: Ariane Noronha

O núcleo setorial de escolas particulares da Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC) tem desenvolvido uma série de encontros e reuniões com representantes dos colégios associados para debater assuntos polêmicos do âmbito escolar, como o bullying, a segurança na Internet e o desarmamento infantil. Uma palestra com um especialista em violência escolar foi realizada na manhã de ontem, na sede da associação, e outro encontro está marcado para a semana que vem. A palestra da próxima terça-feira será às 9 horas e um profissional de informática discutirá o uso da Internet na escola, além do cyberbullying (o bullying virtual), e as formas de monitorar de maneira sadia o uso dos computadores pelas crianças.

Além disso, o núcleo inaugurou ontem a própria campanha do desarmamento infantil, a exemplo da Polícia Militar de Mogi, que realizou o mesmo projeto no mês passado. A campanha da ACMC vai até o dia 10 de junho. Neste período, as armas de brinquedo serão recolhidas na sede da associação, e depois direcionadas a um artista plástico da cidade, que fará uma obra com o material. A exposição da arte será itinerante, em prédios públicos e colégios da cidade e começará no dia 27 de junho.

De acordo com o coordenador do núcleo, Renato Faria, o objetivo é levar os problemas comuns da escola para o grupo, em debates com especialistas. “São desde problemas legais até os pedagógicos e administrativos, o que melhora o preparo destes profissionais ao lidarem com estas situações”, disse.

Os interessados devem se inscrever pelos telefones (11) 4728-4324 e (11) 4728-4327.

Publicado por: Mogi News
Em: 11/05/2011
Por: Guilherme Peace

Os meninos estão mais sujeitos à prática do bullying escolar do que as meninas. No entanto, o bullying feminino é tão grave quanto o masculino. O porcentual de crianças que sofrem a prática da violência escolar – seja ela física, verbal ou psicológica – foi divulgado pelo professor David Sergio Hornblas, psicólogo especialista no assunto, em palestra realizada na sede da Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC), na manhã de ontem. O encontro foi organizado pelo coordenador do núcleo de escolas particulares da associação, Renato Faria, e contou com a presença de educadores e representantes dos colégios da cidade. O dado é de que pelo menos 34% dos meninos matriculados em todas as escolas brasileiras já sofreram algum tipo de bullying, enquanto que 24% das meninas vivenciaram a mesma situação. O professor se baseou em uma pesquisa realizada pelos institutos Plan/Ceats/FIA, que consultaram 5 mil crianças de todo o País para definir a incidência de bullying nas escolas brasileiras.

Hornblas explicou os motivos desta diferença, pela agressividade biológica natural do homem, em contraponto ao comportamento contido da mulher. No entanto, o objetivo principal da palestra foi transmitir aos educadores informações precisas sobre o bullying, como sua origem e suas causas. “O bullying consiste num ato contínuo de violência, atitudes intencionais, de um aluno contra outro, pela demonstração de poder ou superioridade”, explicou.

Para Hornblas, as pequenas intrigas entre as crianças são importantes para a formação da personalidade. “O que não pode é tornar-se um ato de humilhação”.

Outro ponto abordado pelo professor com importância é a responsabilidade da instituição de ensino em casos de bullying. “Este não é um problema da escola, mas da família das crianças”, afirmou Hornblas. “A escola deve apenas garantir uma forte prevenção, para que o ato não ocorra”. Segundo o professor, o agressor deve ser identificado, mas as medidas corretivas devem partir da família. “A escola garante a educação formal das crianças, mas a educação informal, sobre o que pode e o que não pode, deve ser garantida pelos pais”.

O bullying entre meninos, de acordo com o palestrante, é mais visível, pois a maioria conta com a agressão física e a intimidação. No caso das meninas, tudo é mais sutil. “As meninas praticam o bullying com olhares e comentários maldosos, o que hostiliza a vítima”.

Publicado por: Mogi News
Em: 11/05/2011
Por: Guilherme Peace

A Defensoria Pública de Mogi das Cruzes realizará no próximo dia 27, às 18 horas, uma pré-conferência com a sociedade civil para discutir diversos temas. A reunião vai ocorrer na sede da entidade, na rua Francisco Martins, 30, no Socorro. Os resultados do encontro serão levados para a conferência estadual, que deve ocorrer em agosto.

Esse debate faz parte do terceiro ciclo realizado pela Defensoria Pública de cada região. “Essa pré-conferência vai servir para unir a sociedade civil. As discussões serão feitas por eixos temáticos. As propostas que surgirem na reunião serão levadas para a conferência estadual, que vai ocorrer entre os dias 12 e 13 de agosto na Câmara de Vereadores de São Paulo”, informou Francisco Romano, defensor público e sub-ouvidor da unidade de Mogi das Cruzes.

Romano acredita que, dos temas discutidos, as questões que envolvem crianças e adolescentes serão as mais abordadas. “Tratamos esses casos com mais prioridade. A questão carcerária também será debatida, já que os dois temas estão em evidência”, explicou.

Os eixos que serão abordados são bastante abrangentes. “As propostas vão rodar em nove eixos: situação carcerária; infância e juventude; promoção e defesa da mulher; cidadania e direitos humanos e meio ambiente; habitação, urbanização e recursos agrícolas; defesa dos idoso e pessoas com deficiência; defensorias públicas; políticas institucionais; e direitos do consumidor”.

Atualmente, trabalham seis defensores em Mogi e cinco na unidade de Itaquá. “Atendemos em média 800 pessoas por mês. Os casos mais comuns são relacionados à área familiar, como pensão alimentícia, guarda e adoção”, informou o defensor. Ele disse que o número de defensores precisa ser maior. “O ideal seria que houvesse dois defensores em cada fórum. Estamos aguardando o governador enviar um projeto para a Câmara dos Deputados para aumentar este número em todo o Estado”.

A expectativa é de que pelo menos 120 pessoas compareçam à pré-conferência. “Qualquer pessoa pode participar e é possível, ainda, se inscrever para participar como delegados, que defenderão as propostas na conferência estadual”, acrescentou.

Publicado por: Mogi News
Em: 11/05/2011
Por: Luana Nogueira


Na próxima quarta-feira, dia 18, o prefeito Marco Bertaiolli (DEM) vai assinar o decreto que obriga todas as unidades de saúde do município e a rede privada a informar a Secretaria Municipal de Saúde sobre atendimentos a crianças que tenham sofrido possíveis agressões na cidade. O documento ainda está sendo elaborado pela Prefeitura.

Segundo o prefeito, antes da implantação do Sistema Integrado de Saúde (SIS), os pais levavam os filhos com hematomas aos postos e, em casos de reincidência, a criança era levada a outra unidade para não despertar desconfiança. “Como não havia histórico, era difícil diagnosticar um possível caso de violência, porque o agressor modificava o local de atendimento. Com a integração do serviço de saúde, fica mais difícil esta prática, porque todo o atendimento é colocado no banco de dados e, se houver reincidência de machucados e lesões que possam ser sinais de maus-tratos, o médico poderá comunicar a secretaria”, explicou.

Segundo Bertaiolli, o caso será avaliado pela pasta e, se necessário, a Prefeitura comunicará a polícia e os órgãos competentes, como o Conselho Tutelar, para que intervenham nos casos. “Com relatórios anteriores e diante de uma possível nova agressão, os profissionais terão parâmetros para avaliar. Antes, isso era impossível, porque nas unidades de saúde os dados eram feitos a cada atendimento e não havia possibilidade de conferir o histórico de consultas”, comenta.

A assinatura da lei acontecerá no dia de combate ao abuso e à exploração sexual das crianças e dos adolescentes. Neste primeiro momento, o foco é o combater aos maus-tratos a crianças e adolescentes, mas não está descartado ampliar a notificação para casos de maus-tratos a idosos e mulheres. Hoje, Mogi tem 36 mil pessoas acima de 60 anos. Na Delegacia de Proteção ao Idoso, só nos três primeiros meses deste ano, foram registrados 80 casos de agressão.

Publicado por: Mogi News
Em: 11/05/2011
Por: Marcelo Pascotto

Está marcado para o próximo dia 25 de maio, às 10 horas, o lançamento da pedra fundamental do início das obras de construção do prédio da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), que será erguido na via Perimetral, no Rodeio.

Além disso, o prefeito Marco Aurélio Bertaiolli (DEM) convidou toda a população para participar do evento da campanha junto ao Fundo Social de Solidariedade de Mogi, que irá recolher moedas em diversos pontos de coleta espalhados pela cidade. O objetivo é presentear a próxima cidade que for contemplada com uma unidade da AACD na edição do Teleton 2011, programa que irá ao ar em outubro no SBT.

O valor que será arrecadado em escolas, entidades e órgãos públicos e deve expressar a gratidão do povo mogiano não foi estipulado. “Vale o quanto a gente conseguir, desde que seja o que a população mogiana realmente queira doar em forma de gratidão por este presente que recebemos, que é a AACD”, destacou o prefeito.

Ele anunciou ainda que a empresa vencedora da licitação deve ser divulgada até a próxima quarta-feira e deve concluir o prédio em seis meses após o início dos serviços.

Ontem, durante uma reunião no gabinete, o prefeito contou com um número considerável de participantes – entre autoridades e a população mogiana. Bertaiolli detalhou todo o processo de participação da seletiva até, finalmente, ver Mogi ser escolhida para receber a unidade da AACD, em novembro do ano passado. “Essa participação dos mogianos é fundamental para mostrar que estamos de braços abertos para receber esta entidade social grande que vai ajudar muito quem precisa. Além disso, com a campanha de arrecadação de moedas, poderemos ensinar nossas crianças a guardar para ajudar o próximo”, disse. A unidade da AACD será instalada em um terreno de 5 mil metros quadrados, terá 33 salas, além de uma oficina de fabricação de órteses e próteses.

O presidente da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Mogi, Alfredo Casella, estava emocionado. “Vamos, com certeza, arrecadar moedas com nossas famílias atendidas para presentear a próxima cidade que irá receber um equipamento tão importante quanto a AACD. Vale ressaltar que a associação caminha junto com a Apae, e a partir do momento que vem para Mogi, os caminhos das duas entidades irão se cruzar, facilitando o atendimento a quem mais precisa”, afirmou.

Acostumado a trabalhar com campanhas sociais, o presidente do Lions Clube Centro, Joaquim Custódio, declarou apoio à campanha. “Sabemos o quanto uma pequena ajuda se transforma em um ato muito importante. Vou levar a campanha em todas as reuniões de nossos associados e multiplicar estas moedas. A AACD é uma entidade séria, e precisamos agradecer o presente que Mogi recebeu”.

Publicado por: Mogi News
Em: 11/05/2011
Por Jamile Santana

%d blogueiros gostam disto: