Até o fim do ano, a Vila Santa Helena, em Poá, vai ser receber uma creche para atender cerca de 200 crianças. Sete empresas já enviaram propostas à prefeitura para construir a unidade e, agora, todas vão ser analisadas. Em até 15 dias, o resultado da licitação será divulgado em publicação no Diário Oficial.

A unidade será instalada na rua Fernando de Noronha e ficará entre a Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Manoel Petronilio e a Escola Estadual Nanci Cristina do Espírito Santo. O investimento total será de R$ 2,2 milhões. Até o fim do semestre, a prefeito Francisco Pereira de Sousa (PDT), o Testinha, vai entregar mais três creches, localizadas naVila Monteiro, Vila Amélia e Jardim São José.

De acordo com o secretário de Educação, Humberto Martins, não só a Vila Santa Helena, como todo o município tem uma carência grande de creches e a construção das unidades faz parte das metas da atual administração municipal. “As três creches que estão em fase final e vão ser entregues nos próximos dias terão, ao todo, 500 vagas disponíveis. As obras já estão bastante adiantadas. A administração anterior não priorizou a questão da Educação”, disse. “Hoje temos um déficit grande de crianças nas escolas, que chega a aproximadamente 700. A gente quer zerar esse número até o fim do governo do Testinha”, acrescentou o secretário.

Segundo o secretário de Administração, Alexandre Provisor, o bairro realmente precisa do investimento. “A construção da creche é uma necessidade local e faz parte do governo ampliar o maior número possível de creches até o fim do mandato”.

No bairro
A estudante de enfermagem Débora Muratori, de 24 anos, confirma que a Vila Santa Helena realmente precisa de uma unidade municipal, justamente por haver grande quantidade de crianças pequenas no bairro fora da creche. Ela, que possui um filho de três anos, tem deixado a criança com parentes e vizinhos para trabalhar e estudar, justamente por não haver vaga nas creches próximas a sua casa. “Eu trabalho, faço curso e nessas horas preciso deixar meu filho com a minha prima. Se ele estivesse na escola seria melhor. O bairro realmente precisa de um investimento desse tipo”, acrescentou Débora.

Publicado por: Diário do Alto Tietê
Em: 08/05/2011
Por: Ariane Noronha