Desde o dia 7 de maio em estado de greve, funcionários da Fundação Casa farão uma assembleia no próximo sábado para definir a paralisação dos serviços. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Entidades de Assistência e Educação à Criança, ao Adolescente e a Família do Estado de São Paulo (Sitraemfa), a fundação não apresentou nenhuma resposta ou contraproposta aos trabalhadores. Unidades da região serão afetadas, caso haja a greve.

Os funcionários têm 55 reivindicações. Destacam-se 20% de reajuste salarial, segurança no local de trabalho, contratação de servidores e igualdade salarial em todo o Estado. O presidente da Sitraemfa, Julio Alves, falou das decisões que o sindicado já tem definidas. “Caso até sexta-feira não haja um contato, proposta ou negociação, a decisão de parar está tomada. Na assembleia de sábado vamos discutir como faremos as paralisações. Os funcionários estão aderindo à greve, isso pode gerar uma parada de até 60%. Está definido que, se realmente houver a parada, ela começa no dia 1º de junho”.

Como alguns serviços não podem parar totalmente, a assembleia vai servir para organizar a greve. “Os agentes socioeducacionais que tratam direto com os menores não podem ter um número alto de paralisação. A parte operacional é que terá mais trabalhadores parando os serviços”, afirmou o presidente.

A Fundação Casa, em nota, informou que está fechando com o governo do Estado de São Paulo uma proposta técnica para apresentar ao sindicato e tentar chegar a um acordo a fim de evitar a paralisação dos funcionários.

As cinco unidades da região, que estão instaladas em Arujá, Ferraz de Vasconcelos e Itaquaquecetuba, também participarão da paralisação, caso ela seja iniciada.

Publicado por: Diário de Suzano
Em: 26/05/2011