O Ministério Público de Suzano baixou portaria ontem instaurando inquérito civil para investigar as causas que teriam acarretado na morte de recém-nascidos na Santa Casa de Misericórdia. O documento, de número 135/2011, é assinado pela promotora de Justiça da Vara da Infância e da Juventude, Celeste Leite dos Santos.

O objeto do inquérito instaurado é a apuração de insuficiência de número de leitos na ala de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal e a verificação da adequação do serviço de saúde prestado pela Santa Casa. A medida do MP de Suzano surge após a divulgação acerca dos quatro bebês mortos nos dias 14 e 15 de maio e a subsequente informação de que outros 13 recém-nascidos também haviam morrido desde janeiro.

Na portaria, a promotora Celeste ainda requisitou a instauração de inquérito policial para apurar as mortes das crianças e vistorias no local por parte do Conselho Regional de Medicina, do Conselho Regional de Enfermagem, da Vigilância Sanitária Municipal e da Agência Nacional de Saúde.

Além da iniciativa do MP, o DAT apurou que o deputado estadual Estevam Galvão de Oliveira (DEM) vai solicitar que o Centro de Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo vistorie a UTI Neonatal da Santa Casa de Suzano. O parlamentar se pronunciará hoje na tribuna da Assembleia Legislativa. O mesmo ocorreu quando a Santa Casa de Mogi das Cruzes registrou nove óbitos de bebês entre novembro de 2009 e fevereiro de 2010.

Por parte da Prefeitura de Suzano, responsável pela intervenção na unidade, a única atitude foi realizar um relatório com parecer técnico, no qual a Secretaria Municipal de Saúde descartou a possibilidade de infecção hospitalar. O médico interventor da Santa Casa, Marco Antônio Grandini Izzo, afirmou que foi mal interpretado quando disse que havia superlotação dos leitos na UTI Neonatal e que esta seria a causa das mortes.

Publicado por: Diário do Alto Tietê
Em: 24/05/2011
Por: Vivian Turcato